Archive for janeiro \26\UTC 2010

Acampamento 2010!!

26/01/2010

Gente, está quase na hora de nosso acampamento e gostaríamos de avisar que ainda há vagas.

Fale com alguém da diretoria e não deixe de ir pois é sua oportunidade de passar dias maravilhosos estudando a Bíblia, louvando, estando em comunhão e aprendendo mais e mais sobre o nosso grande Deus!!!

O tema deste ano é Batalha Espiritual e trataremos das três principais áreas em que ela ocorre… você sabe quais são??

E nosso jantar temático será sobre Hip-Hop, prepare-se para se divertir muito!!

Os preços são os seguintes*:
Adulto acima de 12 anos: R$ 270,00
Crianças de 6 a 11 anos: R$ 130,00
Crianças até 5 anos: Não paga
Passar o dia (Day Camp): adultos (acima de 12 anos) R$ 65,00
Passar o dia (Day Camp): crianças de 6 a 11 anos R$ 30,00
Passar o dia (Day Camp): crianças até 5 anos Não paga
*caso haja necessidade com pagamento, converse com alguém da diretoria e vá, temos uma cota reservada para isso, não fique de fora dessa!!


Nel – Marquinho – Renan (Diego) – Kell – Gui
> > > > >
Twitter: http://twitter.com/umpvilamaria
Jo 14.27: “
Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize.”

Anúncios

O poder do mais fraco

07/01/2010

Publicado no boletim IPVM de 10/01/10 por Rev. Cícero Brasil Ferraz

Por vezes penso que Deus inventou a instituição humana da família, como campo de treinamento para nos preparar para conviver com as demais instituições. Não é quando encobrem as diferenças que as famílias dão mais certo, mas quando as celebram.

Uma família saudável edifica os membros mais fracos sem derrubar os mais fortes. Como disse João Wesley: “Qual filho meu eu amo mais? Amo mais o doente até que ele sare, amo o que está longe de casa até que ele volte”.

A família é uma instituição humana sobre a qual não temos escolha. Entramos nele simplesmente por nascer e, como resultado, somos involuntariamente jogados juntos numa coleção de pessoas, sempre iguais com algum ponto, mas muito diferentes de nós em outros. A igreja ainda requer um outro passo: voluntariamente nos juntamos ao estranho bando em razão de um laço comum em Jesus Cristo. Descobri que essa comunidade se assemelha mais à família do que qualquer outra instituição humana. Nela nos reunimos para a Ceia, no Natal ou dominicalmente com as pessoas com as quais mais gostaríamos de conviver. Esta é a verdade…

Creio que sua família é parecida com a minha. Alguns membros são bem sucedidos e outros são miseráveis fracassados; outros são mais bonitos e outros são até estranhos, de tão feios; uns são saudáveis e outros trazem consigo doenças hereditárias; uns são inteligentes outros mais “burrinhos”. As coisas negativas não nos eximem da família; as positivas não os tornam “mais” membro da família que os outros. Ali, na hora do encontro, são todos “farinha do mesmo saco”. Quando todos se assentam em volta da mesa, por exemplo, no Natal, todos são iguais – todos têm o mesmo “gen”, ninguém é rejeitado.

Assim é que devemos nos assentar “à roda da mesa” com os irmãos da família do Senhor. São todos “farinha do mesmo saco”. As nossas diferenças não cancelam nossa membresia; nossos fracassos não nos tornam “menos” membros. O direito é dado por Cristo na cruz.

Se começarmos a enxergar assim, seremos uma comunidade parecida com o céu. Muitas coisas que acontecem aqui em baixo na igreja, acontecerão em quintessência lá em cima, no céu.